Reunião PET Educação: 01/03/2017

O dia 01/03, quarta-feira de cinzas, será Ponto Facultativo nas IFES. Assim a reunião do Grupo PET Educação, marcada para a manhã de quarta-feira, posterior ao Carnaval, não ocorreu.

Como tarefa para casa, a definição do artigo a ser escrito e os primeiros esboços de sua coluna vertebral.

Reunião PET Educação: 22/02/2017

No dia 22/02, quarta-feira, tivemos a apresentação oral dos temas/títulos de cada um dos artigos que estão sendo escritos como tarefa pelos estudantes bolsistas PET Educação 2016/2.
Além disso, utilizamos parte da manhã para a atualização do Currículo Lattes da Priscila e da Roberlânia.
A seguir, os temas de cada um dos bolsistas:
Cinara Postringer: Micropolíticas de leitura: a Sala de Leitura Erico Verissimo.
Érica Macleo: Literatura Infnatil para o PNAIS: gêneros e autores das 75 obras.
Gabriela Leal: Olhar dos colegas sobre crianças com necessidades educaionais especiar no E.F.
Ieda Kurtz: Bibliotecas escolares: leis que as regem no Brasil e no RS.
Leonardo Capra: Under the Sunset, de Bram Stoker: Traduzindo contos infantis.
Maiara Kringel: Avalaição cognitiva de adultos com deficiência: O estado da arte
Priscila Brock: Adultos com Síndrome de Down: um olhar
Rafaela Camargo: A ambiência na Biblioteca Escolar: aspectos importantes
Rafaela de Oliveira: Atribuições do professor de AEE: a lei e o real
Roberlânia Moura: Inclusão: questões a serem pensadas.
Tamires Goulart: Processos avaliativos de alunos com necessidades específicas.

Tamires Machado: A Literatura no Estágio em EJA: Poesia, muito prazer!

Educação Inclusiva: um evento na UFPel

O 1º Congresso Luso-Brasileiro sobre Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e Educação Inclusiva (Conlubra) ocorrerá nos dias 5, 6 e 7 de abril, no Campus Capão do Leão, em Pelotas. Organizado pela UFPel, o foco do evento é o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e a Educação Inclusiva.
Nele, estarão presentes as petianas abaixo listadas com seus trabalhos aprovados:

Autora: Gabriela Leal
Título:
Autora: Maiara Kringel
Título:
Autora: Priscila Brock
Título:
Autora: Rafaela de Oliveira

Título:
Autora: Roberlânia Moura.
Título:
Autora: Tamires Goulart
Título:


Inscrições
Serão abertas 500 vagas para inscrições no evento. O prazo final para inscrições e pagamento com submissão de trabalhos é 22 de fevereiro. Já para inscrições sem submissões de trabalhos, o prazo final é 3 de abril.

Mais informações em:


Raquel Schmalfuss dos Santos (2007-2010): depoimento

Em uma de suas obras, Ruben Alves diz que “Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas[1]”. Um grupo de pesquisa pode ser assim também, dependendo de seus integrantes. Compreendo grupo como um conjunto de pessoas que tem ou busca um mesmo objetivo e a pesquisa, como um processo que objetiva compreender problemas e dar a eles tratamento adequado até a apresentação de resultados[2]. Para mim, ter sido petiana foi assim: integrei um grupo e pude tornar-me pesquisadora.
Sei que, quando se entra na Universidade e em um grupo de pesquisa, nem sempre se conhece os desdobramentos que podem ter essas ações e desafios. No entanto, se depois de um tempo tu não passares a ter esse olhar sobre o que se propôs a fazer, então está gastando o tempo em vão.
Penso que, no PET ou em qualquer outro grupo de pesquisa tu precisas abandonar teus hábitos e tornar-te uma acadêmica. Humana, é claro. Com falhas, sim. Para evoluir, no entanto, é preciso reconsiderar o ditado “é errando que se aprende’. Se tu queres sair de fato da mesmice, busque tudo que o grupo tem a lhe oferecer em termos de conhecimento. Para tal, observe as pessoas, como pensam e fazem, investigue as razões de seus fazeres, faça perguntas, anote as respostas, seja humilde e tenha uma posição “na medida certa”. Sobretudo, não fique em lugar algum só porque te pagam para estar ali!
Para todas nós, durante a graduação este grupo de pesquisa é como um alimento para a vida toda, porque nele descobrimos muitas linhas de pesquisa. Ou seja, é um berçário no qual se pode escolher um tema com o qual temos afinidade e, com dedicação, dar início a uma brilhante carreira. Lembre: mesmo não dando muita importância para o currículo, mais tarde vamos precisar dele. Começamos a preenchê-lo quando apresentamos trabalhos em eventos, quando escrevemos um artigo, organizamos um evento...
Entrei no PET Educação em 01/09/2007. Sou uma das primeiras integrantes. Durante minha estada como bolsista e sob orientação da Drª Cristina Rosa, desenvolvi a pesquisa intitulada "Curso de pedagogia da FaE/UFPel: 30 anos de história". Foi instigante participar de eventos apresentando seus resultados. Concluí a graduação em setembro de 2015 e, em 2016 ingressei no Curso de Especialização em Ciências e Tecnologias na Educação do IFSUL, campus CAVG. Ainda não exerço a profissão de Pedagoga, mas pretendo mudar essa situação em breve.

Dica de Pedagoga:
Em função de uma disciplina da Especialização, fiz um Blog. Quando estiver pronto, irá conter tudo que eu utilizei no Estágio na Educação Infantil, desde o Projeto apresentado na Escola até meus planos de aula. Deixo aqui um link, pois meus estudos podem servir de modelo para quem ainda não teve a oportunidade de criar o seu próprio: http://raquelschmalfuss.blogspot.com.br/


Leituras para meninas no dia internacional da mulher

LEITURAS PARA MENINAS
Uma brincadeira no dia internacional da mulher...

Descrição: O evento Leituras para meninas constitui-se de leituras públicas de obras literárias infanto-juvenis de escritoras brasileiras e não só. As obras foram escolhidas por terem, em seu universo ficcional, protagonistas meninas, mocinhas e ou mulheres que não esperam o príncipe encantado resolver seus problemas. São personagens inspiradoras, que se responsabilizam por si mesmas, propõem saídas inusitadas para velhos problemas e são bem humoradas. Será desenvolvido pelo GELL - Grupo de Estudos em Leitura Literária da FaE/UFPel – e está integrado a outras atividades pensadas para o Dia Internacional da Mulher que serão desencadeadas pela Faculdade de Educação. Destinado às meninas do 7º, 8º e 9º ano da E.E.E.F. Fernando Treptow, ocorrerá na manhã do dia 08/03/2017, na Biblioteca Cristina Maria Rosa.

Leituras para meninas: ficha técnica
1.  Cinara Postringer: A bailarina, de Vinícius de Moraes e As meninas, de Cecília Meireles;
2.    Cristina Rosa: Pandolfo Bereba, de Eva Furnari;
3.    Érica Machado Leopoldo: Uma Chapeuzinho, de Marjolaine Leray;
4.    Rafaela Canez Camargo: Ervilina e o princês, de Sylvia Orthof;
5.    Tamires Machado: Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector;
6.    Ieda Kurtz: O Príncipe que Bocejava, de Ana Maria Machado.

Justificativa
Integrado a uma data especial e tendo como foco a leitura literária, ler publicamente tem sido a ênfase do GELL - Grupo de Estudos em Leitura Literária da FaE/UFPel. A leitura de textos sobre personagens femininas desde a infância empodera as meninas e pode inspirá-las a serem protagonistas das próprias vidas. Os objetivos do grupo são:
ü    ler textos literários de qualidade;
ü    ler mulheres para meninas;
ü    reunir meninas e mulheres leitoras;
ü    ler em um espaço escolar;

ü    ler e brincar de pensar.

Dados da proposta
Coordenação: Drª Cristina Maria Rosa
Docente no Departamento de Ensino da Faculdade de Educação/UFPel.
Apoio: PET Educação
Foco: Leitura e diálogo de poesias e contos em que a personagem principal é uma menina.
Público: Meninas do 7º, 8º e 9º ano da E.E.E.F. Fernando Treptow
Espaço: Biblioteca Cristina Maria Rosa
Data: 08/03/2017, das 9 às 11 horas

Interpet Fevereiro: PET Educação presente!

Ocorreu no dia 18 de fevereiro de 2017, nas dependências da Odontologia e organizado pela Executiva local, o primeiro INTERPET UFPel 2017.
Com programação, pauta e café da manhã coordenado pelo grupo de estudantes que integram a Executiva, a mesa esteve repleta de gostosuras compartilhadas por todos os grupos PET da UFPel.
O esmero foi evidenciado em alimentos saudáveis (frutas, sucos, pães integrais) e também guloseimas como bolos, biscoitos e salgadinhos. O destaque foi a contribuição do PET Engenharia Hídrica, que inovou na embalagem e conteúdo: água com e sem gás.
Na Pauta, entre muitos assuntos, a agenda de InterPET para o ano de 2017, o SulPET que ocorrerá entre 20 e 23 de abril em Florianópolis e o CENAPET, que ocorrerá em julho na Capital Federal.
Do PET Educação, presentes as bolsistas Érica Macleo, Gabriela Leal, Maiara Kringel, Priscila Borck, Rafaela Camargo e Tamires Goulart.


Qualificação do projeto de pesquisa: Angelina Monica Monteiro dos Santos

O PET Educação, com muita alegria e reconhecimento, convida a todos a se fazerem presentes na Qualificação do projeto de pesquisa intitulado Literatura Infantil Menor: afecções de um corpo em (des)leitura na escola, orientado pela Drª. Roselaine Albernaz e coorientado pelo Dr. Alberto d’Avila Coelho. Esta ocorrerá às 14 horas do dia 08 de março de 2017, na Sala: 323 B do IFSUL Pelotas.
A mestranda Angelina Monica Monteiro dos Santos, que estará diante da banca defendendo seus estudos e proposições integrou o grupo PET Educação entre 2013-2015 e, artualmewnte, é mestranda do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Educação e Tecnologias do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL- Campus Pelotas).
Parabéns, Angelina, por mais esta conquista!


3º Mediadores: encerramento

Na noite de quinta-feira, 16/02, a partir das 19 horas e na Livraria Vanguarda do Shopping Pelotas ocorreu o encerramento do 3º Curso Mediadores em Leitura Literária.
Na abertura da noite, a Diretora da Faculdade de Educação, Drª Mirela Meira, representando a Gestão Rogério e Mirela, anunciou sua satisfação pela presença do público.
Em sua fala de abertura, considerou o trabalho com a arte - a literatura integrada a esse campo - como a educação do sensível em cada um e, por isso, muito importante. Logo depois, desejou aos presentes, em nome da FaE/UFPel, a continuidade dos estudos em mediação literária como integrante da educação do sensível na escola.
A noite contou com a leitura de alguns contos inseridos na obra Contos para ler a três, que foi autofgrafado pela escritora de alguns deles, Cristia Rosa.
A equipe do GELL - Grupo de estudos em Leitura Literária da FaE/UFPel entregou os atestados de participação a todos que frequentaram os três dias anteriores do 3º Curso Mediadors em Leitura Literária, que ocorreram na Biblioteca da Escola Fernando Treptow econvidaram os presentres para o próximo, que ocorrerá em janeiro de 2018.
Destaque especial na noite foi a participação da turma do primeiro semeste da Pedagogia da aE, que, juntos, integraram-se aos demais participantes do evento e usufruírtam do espaço e do programa.
A Coordenadora do evento, Drª. Cristina Rosa, agradecee ao público que se fez presente e tornou mais intenso o verão de janeiro e fevereiro na Universidade e à Livraria Vanguarda, parceira do projeto.
Ao final, um caloroso "bate-papo" animou quem gosta de livros e de leitura, aproveitando o momento para estreitar laços e combinar mais alguns encontros em 2017.

Angelina Monica Monteiro dos Santos (2013-2015): depoimento


Sou Angelina Monica Monteiro dos Santos, petiana entre 2013-2015, hoje mestranda do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Educação e Tecnologias do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL- Campus Pelotas).
Defendo, no próximo mês de março (08/03/2017), meu projeto de dissertação intitulado Literatura Infantil Menor: afecções de um corpo em (des)leitura na escola, orientado pela Drª. Roselaine Albernaz e coorientado pelo Dr. Alberto d’Avila Coelho. O tema e a investigação nasceram de minha paixão pela leitura literária na escola que foi surgindo com as práticas junto ao PET Educação.
O PET desenvolve trabalhos integrando Pesquisa, Ensino e Extensão que repercutem na formação humana e profissional do petiano, bem como na comunidade acadêmica ao qual está inserido e, estando eu no PET Educação, observava isso, mas não com a importância e profundidade que posso atribuir hoje.
Penso ser o ideal, talvez utópico, que todos os alunos do curso de graduação pudessem ser petianos. Isso no sentido de que o PET nos possibilita um aprendizado prático orientado, junto à comunidade, nos favorecendo um melhor desenvolvimento do trabalho profissional tanto no dia a dia da sala de aula, no caso do PET Educação, quanto na continuação dos processos de aprendizagem na Academia.

Vou dizer em outras palavras: o trabalho discente desenvolvido junto a tutores faz a diferença na formação profissional da pessoa e deveria ser pensado para toda a comunidade acadêmica. Por estas razões afirmo que não posso dizer o que o PET foi para mim. Porque ele não foi, ele é presente em minha vida, muito mesmo.

SulPET em Floripa!!!


     O PET Educação terá duas participantes no SulPET que ocorrerá entre os dias 20 a 23 de abril de 2017 na capital do estado de Santa Catariana.
Leia aqui, na íntegra, os resumos enviados ao evento que serão apresentados no evento e que representam o melhor que o PET Educação faz em ensino, pesquisa e extensão na UFPel.

TRABALHOS ENVIADOS
Os trabalhos a serem apresentados. oralmente e em formato banner são:
1. Oralmente:LEITURA LITERÁRIA NO PET EDUCAÇÃO/UFPEL: PROJETOS E ATIVIDADES
Estudante apresentadora: Rafaela Canez Camargo
Orientadora: Cristina Maria Rosa (Tutora PET Educação)
INTRODUÇÃO:
No trabalho tenho como finalidade descrever atividades realizadas entre janeiro de 2016 e março de 2017 pelo GELL – grupo de estudos em leitura literária – que integra o Programa de Educação Tutorial da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas. Vinculados ao campo da formação de professores, são projetos integrados por um princípio: o professor deve ter formação literária e ser um agente, na escola, de apresentação e apaixonamento pelo livro e pela leitura.
De acordo com Ana Maria Machado (2001), a Literatura infantil “[...] permite sonhar, enfrentar medos, vencer angústias, desenvolver a imaginação, viver outras vidas, conhecer outras civilizações. Além disso, nos dá acesso a uma parte da herança cultural da humanidade [...]”. Por ser um “instrumento motivador e desafiador”, a literatura para CONFESSOR (2016) “é capaz de transformar o indivíduo em um sujeito ativo, responsável pela sua aprendizagem, que sabe compreender o contexto em que vive e modificá-lo de acordo com a sua necessidade”. Logo, o contato com a literatura infantil na vida escolar é muito importante.
Apesar dessa importância, os estudantes, em geral, leem por obrigação e não por gostar de fazê-lo afirma Machado (2001). Desse modo, é necessário despertar o gosto pela leitura realizando com eles, um processo de mediação. Mediadores de leitura, de acordo com o REYES (2014), são pessoas “que criam as condições para fazer com que seja possível que um livro e um leitor se encontrem”. Este processo, na escola e mais restritamente na sala de aula, é decisivo, para a pesquisadora Lígia Cademartori. Em suas palavras:

A mediação do professor é decisiva na relação que a criança irá estabelecer com a literatura infantil, pois a ele cabe escolher o livro, promover sua leitura e conversar a respeito na sala de aula. Também será tarefa sua ensinar a criança a manipular o livro como objeto e descobrir nele o que só com a visão e a manipulação é possível descobrir. É desejável que o livro ingresse na sala, nos primeiros anos, como um brinquedo e uma aventura com as palavras, que desperte a curiosidade dos pequenos e os estimule a pensar. Que as crianças mergulhem no livro e dele possam emergir como quem encontrou inesperadas maravilhas no fundo do lago. Ou ao cair na toca do coelho (CADEMARTORI, Glossário CEALE, 2014).
Partindo destas premissas, o Grupo de Estudos em Leitura Literária tem realizado atividades de leitura literária com diferenciados públicos. Algumas delas, como cursos de formação, eventos de leitura literária em escolas, manutenção de uma sala de leitura e restauro de uma biblioteca escolar, serão explanadas a seguir.
1.    ATIVIDADES RELIZADAS
2.1 Curso de Formação
O Curso “Mediadores em Leitura Literária” é um evento anual que ocorre no período não letivo da universidade. O objetivo é oferecer, aos participantes, conhecimento literário e metodologias de mediação da leitura. Aberto à comunidade, os frequentadores têm em sido estudantes de ensino superior, professores atuantes em escolas públicas e privadas e na universidade além de pessoas de outras áreas. Em 2016, na 2º edição, um dos resultados foi a confecção do Livro digital “Receitas inventadas: dos clássicos ao Mercado Público.” Em 2017, a terceira edição deu-se nos dias 30, 31 de janeiro e 1º, 16 de fevereiro, com o tema “Escritores de Além Mar”, no qual foi priorizado o escritor José Saramago. As informações a respeito de todo o processo e desenvolvimento estão registradas no Blog do PET Educação (http://peteducacao.blogspot.com.br/).
2.2 Sala de Leitura Erico Verissimo
A sala de leitura Erico Veríssimo tem como centralidade a “proposição de micropolíticas de formação do leitor literário” (POSTRINGER, 2016). Foi inaugurada em 17/12/2015 e tem o intuito de disponibilizar seu acervo literário para os estudantes do curso de Pedagogia, prioritariamente. Abriga seis acervos: “Livros sobre a Literatura e seu ensino, Obras de Literatura Universal, Obras de Literatura Infanto-Juvenil, Obras de Literatura para crianças, uma Gibiteca e uma Coleção de 30 Banners com a história do GELL, da Sala de Leitura e suas políticas” (POSTRINGER, 2016). Seu ambiente é pequeno, porém agradável e acolhedor, contando com uma decoração criativa e assentos. O local é aberto todos os dias da semana, em especial no horário de trocas de turnos e monitorado por um (a) bolsista ou voluntário.
2.3 Leitura Literária na Escola
Em busca de mediar a leitura, as estudantes vinculadas ao PET Educação realizam, em escolas, leituras literárias, a fim de introduzir alunos no universo da literatura. No ano de 2016, essa atividade foi realizada em conjunto e com o auxilio de personagens dos contos de fadas. Imagine: uma turma em sala sendo preparada para uma visita e então entra a Chapeuzinho Vermelho, a Cinderela, a Fada Madrinha... Isso captura a atenção dos alunos e possibilita mais facilmente o contato destes com a leitura. Esses eventos ocorreram mais intensamente no período de outubro e novembro, a partir do dia da criança. O grupo se fez presente em escolas municipais, estaduais e beneficentes, abrangendo crianças de educação infantil, anos iniciais e alunos com necessidades educativas específicas.
2.4 Reforma da Biblioteca
No ano de 2016, a vice-diretora (ex-petiana) de uma escola estadual localizada na periferia da cidade de Pelotas, entrou em contato com o grupo solicitando uma organização no acervo da biblioteca escolar, que estava sendo remodelada. Esperávamos “encontrar uma sala com armários e prateleiras repletos de livros que precisaríamos apenas classificar e guardar novamente” afirma Ieda, uma das petianas envolvidas (ROSA, 2016). Na escola, no entanto, integrantes do PET e a tutora se encontraram no corredor da escola com uma significativa quantidade de livros expostos à intempérie, além de ter acesso ao novo espaço em situação precária: havia recebido uma demão de pintura e, por isso, os livros foram retirados do local e os móveis acumulados no meio da sala. “Em uma primeira reunião, ideias e um plano de intervenção animaram a equipe que, daquele dia em diante, empreendeu esforços no sentido de transformar a sala em uma biblioteca: um espaço em que os estudantes gostassem de estar” (CAMARGO, 2016). Logo, com auxílio financeiro de professores universitários e pessoas da comunidade, o grupo foi restaurando o lugar e preparando-o para abrigar o acervo, acolher os alunos, professores e demais pessoas envolvidas com a escola. Sua inauguração aconteceu no dia 25 de novembro de 2016 e, homenageando nossa tutora, a direção nomeou a biblioteca com sue nome. Neste ano, o curso “Medidores em leitura” foi acolhido pela biblioteca, assim como o evento “Leituras Para Meninas”.
2.5 Leituras para Meninas:
O evento Leituras para meninas constitui-se de leituras públicas de obras literárias infanto-juvenis de escritoras brasileiras e não só. As obras foram escolhidas por terem, em seu universo ficcional, protagonistas meninas, mocinhas e ou mulheres que não esperam o príncipe encantado resolver seus problemas. São personagens inspiradoras, que se responsabilizam por si mesmas, propõem saídas inusitadas para velhos problemas e são bem humoradas. A justificativa é que o evento, integrado a uma data especial e tendo como foco a leitura literária, faz parte das ações do GELL - Grupo de Estudos em Leitura Literária da FaE/UFPel. A leitura de textos sobre personagens femininas desde a infância empodera as meninas e pode inspirá-las a serem protagonistas das próprias vidas. Os objetivos do grupo são: ler textos literários de qualidade; ler mulheres para meninas; reunir meninas e mulheres leitoras; ler em um espaço escolar; ler e brincar de pensar. Essa agregação de valores constitui, por si só, a justificativa de relevância do evento. Foi desenvolvido no dia 08/03/2017 com meninas dos 9º anos da escola. As “Leituras para meninas” foram: A bailarina, de Vinícius de Moraes e As meninas, de Cecília Meireles; Pandolfo Bereba, de Eva Furnari; Uma Chapeuzinho, de Marjolaine Leray; Ervilina e o princês, de Sylvia Orthof; Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector; e O Príncipe que Bocejava, de Ana Maria Machado.
2.    CONSIDERAÇÕES FINAIS
A proposta de mediar a leitura não se resume à apenas ler, apesar de ser o principal modo de atuação. Além de se formar leitor e mediador, os integrantes do grupo, orientados pela tutora, oportunizam a mediação através de locais, propícios à leitura, e da formação de novos mediadores.
3.    REFERÊNCIAS
CADEMARTORI,Lígia. Literatura infantil. Glossário CEALE. Belo Horizonte: UFMG/CEALE, 2014.
CASTRO, E. F. A importância da literatura infantil para o desenvolvimento da criança. 2009. Monografia. Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, Fortaleza – CE. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-da-literatura-para-o-desenvolvimento-da-crianca/9055/
CONFESSOR, Rosinete de Sales Gomes. A Literatura infantil como recurso de inclusão social nas escolas. Disponível em:
CAMARGO, Rafaela Canez. BIBLIOTECA ESCOLAR: AMBIENTE PARA A LEITURA E A FORMAÇÃO DO LEITOR. Disponível em http://cti.ufpel.edu.br/siepe/arquivos/2016/CH_05235.pdf. Acesso em: 08/03/2017
MACHADO, Ana Maria. A literatura deve dar prazer. Rio de Janeiro: Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, v. 16, n. 145, p. 21-23, set. 2001. Entrevista concedida a Priscila Ramalho. Disponível em:  https://novaescola.org.br/conteudo/955/entrevista-com-ana-maria-machado. Acesso em: 08/03/2017
POSTRINGER, Cinara Tonello; ROSA, Cristina Maria.  MICROPOLÍTICAS DE FORMAÇÃO DO LEITOR: A SALA DE LEITURA ÉRICO VERÍSSIMO. Disponível em http://cti.ufpel.edu.br/siepe/arquivos/2016/CH_02721.pdf. Acesso em: 08/03/2017.
REYES,Yolanda. Mediadores de leitura. Glossário CEALE. Belo Horizonte: UFMG/CEALE, 2014.
 ROSA, C. Fotodocumentação e Relatório de Intervenção: imagens e palavras sobre a interferência na Biblioteca da EEEF Fernando Treptow. Relatório e Pesquisa. Pelotas: PRPPG/UFPel, 2016.


2. Em formato Banner:
PROJETO NOVOS CAMINHOS: CONTRIBUIÇÃO PARA FORMAÇÃO
Petiana: Tamires Jara Goulart.
Orientadora: Gilsenira de Alcino Rangel;
OBJETIVO: O objetivo primordial do Projeto de Extensão Novos Caminhos é proporcionar melhor qualidade de vida às pessoas com Síndrome de Down (SD) através da inserção, qualificada, em atividades sociais que exijam práticas de leitura e escrita. Compartilhamos com Freire (1983) que “A leitura de mundo precede a leitura da palavra e a leitura desta implica a continuidade da leitura daquele.
ALFABETIZAÇÃO: A partir dessa ideia de Freire fazemos a relação entre Alfabetização - aqui entendida como o conhecimento do sistema alfabético, o domínio do processo de leitura e escrita de palavras, e o Letramento -“viver na condição ou estado de quem sabe ler e escrever” (SOARES, 2003), ou seja, utilizar esse conhecimento em sua vida diária, contribuindo para o entendimento do mundo. Nesse sentido, segundo a autora, apropriar-se da escrita é diferente de ter aprendido a ler e escrever: adquirir uma tecnologia, a de codificar e decodificar a língua escrita (SOARES, 2003, p.39).
A PESQUISA: Neste trabalho objetivamos apresentar a contribuição da atuação das petianas para a formação como licenciandas em Pedagogia. Nesse sentido, empreendemos entrevistas nas quais perguntávamos qual a contribuição do Projeto para tua formação? Apresentamos aqui dados de quatro bolsistas.
OS RESULTADOS: Como experiência das professoras-aprendizes, bolsistas PET, elas destacam a importância do projeto para sua formação pessoal e acadêmica. Relatam também suas experiências pessoais dando aulas no projeto:
ü    Professora A. “- Fui convidada, por uma professora aprendiz, a participar do Projeto, mas de primeira instância eu obtive um certo receio por conhecer essa outra realidade que é trabalhar com alunos com Síndrome de Down. Como eu nunca tive contato próximo com pessoas com SD, eu me questionava "como vou trabalhar com esses alunos se nem ao menos tenho conhecimento dessa síndrome?”Confesso que nas primeiras aulas eu estava meio desnorteada, pois eu tinha muitos preconceitos com relação à capacidade e potencialidade desses alunos. Garanto que depois que conhecemos e passamos a conviver com os alunos, o grupo, não tem como não se encantar nem como não se apaixonar!”
ü    Professora B. “Todo preconceito, com o qual eu ingressei no Projeto, foi desconstruído e hoje eu afirmo que "não estou me preparando para ser uma professora que pode trabalhar com uma classe inclusiva e sim para ser uma educadora atuante na Inclusão, pois é com a educação inclusiva que desejo trabalhar”. Com os alunos do Projeto, aprendi que todo mundo é capaz de sonhar, de crescer e se tornar o que quiser ser. Todos somos capazes!”.
ü    Professora C. “- Ao participar do projeto precisamos ter um olhar bastante diferenciado diante dos outros, um olhar mais progressivo, aprendi a elogiar mais os menores avanços. Aprendi que uma palavra pode construir sonhos bem como pode destruir. Um olhar diferenciado e preciso faz total diferença na vida de todos”.
Professora D. “- Olhar o mundo com outros olhos, ver a heterogeneidade de uma sala de aula... Pois acredito que na maioria das vezes, quando pensamos em "ser professor", temos aquela imagem de ter um caderno com atividades semelhantes e que ali da frente da sala, você pode resolver todos os problemas pedagógicos porque todos aprendem da mesma maneira.... Logo percebemos que cada um tem seu modo de adquirir conhecimento, cada um tem seu tempo e todos trazem uma bagagem a ser compartilhada e assimilada pelas pessoas que estão a sua volta”.
CONCLUSÕES: A partir desses depoimentos, percebemos que, entre os resultados mais significativos do Projeto estão os ganhos para as professoras-aprendizes uma vez que são confrontadas com situações desafiadoras em termos de processos de ensino-aprendizagem, tendo, assim, de pensar maneiras de mediar esse processo em busca da real aprendizagem.



Mais informções em:
https://www.facebook.com/XX-Sulpet-Floripa-302672883269501/
Para saber tudo sobre o evento, acesse o link oficial:
https://xxsulpet.wordpress.com/

Reunião PET Educação: 15/02/2017

Na reunião que ocorreu em 15/02/2017, o Grupo PET Educação desenvolveu o primeiro ponto da agenda acordada para o final do segundo semestre letivo de 2016 que, de acordo com o COCEPE/UFPel ocorrerá entre 06 de fevereiro a 25 de março de 2017.
As duas propostas, elaboradas e apresentadas pela tutora Drª Cristina Rosa foram iniciadas: Escrita de um artigo individual a ser publicado em uma revista digital – PetEducaçãoPublica – sobre as temáticas desenvolvidas nas pesquisas em 2016  e Atualização do Currículo Lattes.
O primeiro momento foi de Orientação sobre estrutura dos artigos a serem escritos. Um esquema foi organizado no quadro e, ponto a ponto, exposto pela Tutora às esrudanres que uderam sanar duvidas e acrescentar informações.

No segundo momento houve a atualização do Currículo Lattes da Erica Machado Leopoldo e da Rafaela Canez Camargo. Devido ao tempo, o grupo conseguiu apenas observar aspectos do currículo da Érica, ficando todos comprometidos a organizarem os seus a partir das orientações dadas a ela.

Monica Roxo (2009-2012): depoimento

Sou Mônica Roxo Correa, e para mim, ter sido petiana entre 2009 e 2012 foi algo maravilhoso. Ingressar no PET Educação me abriu portas e horizontes dentro da UFPel e, através dele, percebi a grandiosidade da Universidade em todas as suas instâncias.
Também foi possível firmar parcerias e contatos com pessoas de diversas áreas, outras universidades e cursos, ampliando o conhecimento adquirido dentro do curso de Pedagogia.
O PET foi fundamental na minha formação profissional, mas principalmente, na formação pessoal, onde pude evoluir e aprender sobre relações interpessoais. Ser petiana marcou minha jornada dentro da UFPel.
Atualmente, sou professora de Educação Infantil na rede pública minicipal em Pelotas, e coloco em prática os ensinamentos que obtive dentro do grupo através de troca de experiências com colegas.