Identidade letrada na Pedagogia: o que é isso?

Por que conhecer o perfil leitor dos estudantes de Pedagogia?
O que objetivam questões como livros indicados, seus autores, títulos e temas?
Uma possível resposta é por ser, ou dever ser, a licenciatura em Pedagogia, uma “comunidade de leitores”, na medida em que oferece ou deveria oferecer, “condições de excelência para o desenvolvimento de repertórios de saber mais alargados sobre o mundo, a língua e a literatura, seus valores e papéis, mas, sobretudo, de modos próprios de ser leitor, ou seja, da identidade letrada” (Dionísio, 2014).
Para saber mais sobre o tema, acompanhe os resultados iniciais da pesquisa que vem sendo desenvolvida pelo PET Educação acerca do Perfil leitor dos estudantes de Pedagogia da FaE/UFpel.
E leia, no Glossário CEALE, a interessante publicação de Maria De Lourdes Dionísio, professora do Instituto de Educação da Universidade do Minho – Portugal, que explora teoricamente que são "Comunidades de leitores”. 

Aula Pública na semana do gostar de ler...

Ocorreu ontem dia 20/06, a Aula pública de Literatura Infantil.
O tema, escolhido previamente, foi A invenção da literatura infantil no RS: João Simões Lopes Neto e Erico Verissimo.
O local escolhido foi a Sala 103, localizada no andar térreo do Intituto de Ciência Humanas da UFPel.

A sala de leitura e a formação do leitor literário
As micropolíticas de leitura literária desencadeadas pela Sala da Leitura buscam aproximar universitários dos livros e do gosto por ler, além de estabelecer contato profícuo com a escola e os futuros leitores.
Integrada à Pedagogia, a Sala de Leitura é um espaço de exercício qualificado dos saberes literários como saberes docentes (PAULINO, 2001) e pauta-se pelo argumento de que a formação do mediador literário é estruturador e primordial no exercício cotidiano da docência, nos anos iniciais da escolarização.
Ao propor e desenvolver micropolíticas de leitura, entre elas, visitas guiadas para conhecimento do acervo e do espaço, cursos livres, saraus literários, pesquisas sobre o livro e a literatura e aulas em ambientes, a sala tem se tornado um lócus desencadeador de relações múltiplas com o livro e a literatura, mas, também, com a formação de leitores e mediadores.

Gostar de ler: uma semana apoiada pelo PET Educação!

A Sala de Leitura Erico Verissimo (FaE/UFPel) localizada no Andar Térreo do ICH, está desenvolvendo uma série de eventos em junho.
Apoiada pelo PET Educação, a sala está propondo e desenvolvendo micropolíticas de leitura, entre elas, visitas guiadas para conhecimento do acervo e do espaço, cursos livres, saraus literários, pesquisas sobre o livro e a literatura e aulas em ambientes não convenionais. Assim, tem se tornado um lócus desencadeador de relações múltiplas com o livro e a literatura, mas, também, com a formação de leitores e mediadores.
Na semana entre 19 e 23, haverá, todos os dias, um pequeno evento: é a semana do gostar de lerAcompanhe a agenda do GELL – Grupo de Estudos em Leitura Literária – e participe. Os eventos são abertos e gratuitos.

Semana do gostar de ler.

19/06 – Publicação no Blog da Sala de leitura Erico Verissimo dos resultados da pesquisa O que são “coisas de mulher”? A investigação e seus resultados integra a formação das estudantes de Pedagogia e se insere na micropolítica Leituras para Meninas, desencadeada em 08 de março de 2017. Para saber, clique em http://saladeleituraericoverissimoufpel.blogspot.com.br/

20/06 – Aula pública de Literatura Infantil. Tema: A invenção da literatura infantil no RS: João Simões Lopes Neto e Erico Verissimo.

Local e hora: Sala 103, Térreo do ICH/UFPel (9-11 horas):

21/06 – Estudo da obra A Zeropéia, de Herbert de Souza. Obra considerada um marco da “literatura infantil para pensar”, o estudo visa aprender a apresentar A Zeropéia às crianças entre dois e 11 anos.
Ministrante: Drª Cristina Maria Rosa
Local e hora: Biblioteca da E.E.E.F. Fernando Treptow (9-11 horas);

22/06 – Leitura para crianças: o GELL visita a Escola Municipal de Educação Infantil João Guimarães Rosa. 

Local e hora: Avenida Herbert Hadler, 1310 - Fragata, 9-11 horas;

23/06 – Leitura Literária na Sala de Leitura: O GELL recebe as crianças do CRAS Vida Ativa – Centro de Referência de Assistência Social.
Local e hora: Sala de Leitura, 9-11 horas.

A sala de leitura e a formação do leitor literário
As micropolíticas de leitura literária desencadeadas pela Sala da Leitura buscam aproximar universitários dos livros e do gosto por ler, além de estabelecer contato profícuo com a escola e os futuros leitores.
Integrada à Pedagogia, a Sala de Leitura é um espaço de exercício qualificado dos saberes literários como saberes docentes (PAULINO, 2001) e pauta-se pelo argumento de que a formação do mediador literário é estruturador e primordial no exercício cotidiano da docência, nos anos iniciais da escolarização.
Pesquisas indicam que a totalidade das crianças que chegam à escola pública precisam ser alfabetizadas literariamente (ROSA, 2015), uma vez que parte considerável das famílias das quais são oriundas, leem pouco ou quase nada. Resultados de pesquisas recentes indicam que o acesso à leitura literária e o consequente conhecimento de obras, gêneros, ritos e benesses das práticas, ocorre primordialmente na escola e deve ser considerado como um dos saberes na formação de leitores. Sem essa “apresentação”, a leitura tem vida curta nos poucos anos de escolaridade a que são submetidos os filhos das classes populares e cabe ao docente – ao professor dos anos iniciais, especialmente do primeiro ao quinto – ser capaz de tornar o experimento com os primeiros livros e a variedade de gêneros, uma experiência na vida dos pequenos.

14 de junho: reunião PET Educação

No dia 14 de junho, às 9 horas, ocorreu mais uma das reuniões ordinária do PET Educação.
Os pontos da pauta discutidos foram:                        
1. Pesquisa perfil leitor: relatos e procedimentos;                        
2. Confromação da visita das Coordenadoras da Pedagogia ao PET Educação;                        
3. Conformação dos representantes ao Interpet que ocorrerá em 24/06/2017;                       
4. Avaliação da participação do Grupo no Curso Curto Qorpo Santo Diabos e Fúrias;                        
5. Participação do grupo no Evento Poder Escolar;
6. Outros assuntos.                        

Curso Curto Qorpo Santo Diabos e Fúrias: PET Educação presente!

Apoiado pelo PET Educação e em conjunto com a Sala de Leitura Erico Verissimo ocorreu, na semana que passou (06 a 09 de junho de 2017) o Curso Curto Qorpo Santo Diabos e Fúrias. Com 48 incritos, as datas de realização do evento foram a quarta-feira, dia 07 de junho - na qual houve o estudo da obra em grupo - e a sexta-feira, dia 09/06, reservada para o diálogo com o escritor.
Programa
Após a leitura prévia da obra ocorrida em maio de 2017 e do encontro de estudos entre os jovens da Escola de Ensino Médio Eraldo Giacobbe, com as mediadoras Érica Machado Leopoldo e Beatriz Helena da Rosa Pereira (manhã do dia 07 de junho), chegou o dia de encontrar Luís Dill, o escritor. O “Diálogo com o Autor” aconteceu na sexta-feira, dia nove de junho, entre as 17 e as 20 horas na Livraria Vanguarda Técnicos.
O romance
Escrita por autor gaúcho – Luís Dill – a obra Qorpo Santo: Diabos e Fúrias é um romance que apresenta ao leitor em processo fragmentos interessantes da vida e obra de um dramaturgo gaúcho morto há 130 anos. Nomeado como precursor do “teatro do absurdo”, o escritor gaúcho que viveu entre 1829 e 1883, de acordo com Luís Dill, ainda merece muitos outros olhares e o dele, foi registrado em seu livro. A ausência do dramaturgo, poeta e escritor no calendário cultural do rio grande do sul - muitos nnca ouviram falar de Qorpo Santo - indica que este gaúcho de Triunfo ainda é um estranho na literatura brasileira.
O mote para a escrita de Dill – um romance – foi notíricas da encenação de três das muitas peças de Qorpo-Santo em Porto Alegre, em 1966, 100 anos depois da escrita de seus textos.
Qorpo-Santo diabos e fúrias foi composto, desse modo, com base naquela referida noite e levando em conta a vida - pelos registros conturbada - e a obra do dramaturgo. O livro apresenta uma estrutura diferenciada, com depoimentos de pessoas que gostam de literatura e de dramaturgia. Um dos ápices é o depoimento do diretor da peça reencenada. O compositor da música de cena também foi incluído, e vale cnhecer suas impressões.
Quem foi Qorpo Santo?
José Joaquim de Campos Leão é um personagem real. Redescoberto por Aníbal Damasceno Ferreira por volta de 1950, o grande achado foi um volume com 17 peças que representa, até hoje, a parte mais conhecida da produção de Qorpo Santo, de acordo com Prikladnichi (ZH, 16/11/2013).
A primeira montagem de três de suas peças ocorreu em 1966: um sucesso de público e de crítica. A segunda encenação foi no Rio de Janeiro, em 1968. A partir disso, Qorpo Santo recebeu o título de precursor do teatro do absurdo, tornando “parcialmente obsoletos todos os livros de história da dramaturgia brasileira".
Desconhecido do grande público e tendo raros registros preservados, a linguagem teatral de Qorpo Santo, - um sujeito que pensou em uma ortografia para a língua portuguesa - e suas atitudes conhecidas ainda são incompreensíveis. No entanto, suas palavras sobre o confinamento e sua avidez pela produção nos fazem pensar.
Diálogo com Luís Dill
No diálogo com o autor de Qorpo Santo: Diabos e Fúrias (Artes & Ofícios, 2017), o público pode conhecer detalhes de seu processo criativo, no qual recortes de jornais, pesquisa em arquivos e entrevistas com pessoas que de algum modo ocuparam-se do tema foram explicitadas. O grupo que ouviu Dill ficou encantado com a diversidade, qualidade e profundidade da pesquisa empreendida pelo autor porto-alegrense, que guarda em seu escritório, envelopes com material para cada um dos livros que escreveu ou pretende escrever.
Jornalista, premiado escritor gaúcho, Luís Dill é autor de mais de 50 livros para jovens e adultos. Um deles, porém, é para a infância: Arca de Haicais. Nele, uma arca - com animais como na de Noé - apresentada através do formato Haicai, estes "poeminhos" curtos e inteligentes, inusitados, curiosos, que parecem terem sido inventados assim, como quem não quer nada. 
Poema de origem japonesa que chegou ao Braisl nos anos 20 do século passado, o Haicai é, para Luis Camargo, um tipo de poema como quadrinha e limerique, por exemplo. Leia um dos que se encontram em Arca de Haicais, de Luís Dill:

A beleza do coelho

Quase naõ cabe
Dentro do espelho.

O PET Educação e a Sala de Leitura Erico Verissimo: uma parceria de grande valor
Curso Curto Qorpo Santo Diabos e Fúrias foi ofertado em quatro momentos:
Maio: publicaçõ do evento na página da ufpel e oferta de inscrição online gratuita com limite de 50 vagas;
Maio a Junho: leitura prévia;
Junho, dia 07estudos com mediadores;
Junho, dia 09: diálogo com o Autor.

O evento, promovido e desenvolvido pela Sala de Leitutra Erico Verissimo, foi foi apoiado pelo PET Educação. A direção da FaE/UFPel esteve presente na abertura e comemorou mais uma das parcerias Pet Educação e Sala de Leitura.
Após o encontro com Luís Dill, novas ideias surgiram. Fique atento, em breve, elas estarão por aqui.
Para saber mais...
Quer saber mais sobre Qorpo Santo? Leia o livro de Luís Dil.
Quer saber o que a imprensa noticiou? Clique em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2013/11/morto-ha-130-anos-o-escritor-qorpo-santo-continua-sendo-um-nome-a-ser-descoberto-4335955.html