Recepção ao Calouros da Pedagogia: PET Educação presente!

Calouros da Pedagogia 2019:

Bem Vindos!

Alisson Castro Batista



1º InterPET 2019: PET Educação presente!


16 de março de 2019: InterPET da Executiva
Leonardo Capra

Ocorreu no último sábado, dia 16 de março de 2019, mais um InterPET – encontro de todos os grupos PET da UFPel. Organizado pela Executiva e com pauta voltada quase que exclusivamente para a retomada da organização do SulPET, o evento contou com a participação dos seguintes grupos:
ü Artes
ü Arquitetura e Urbanismo
ü Agronomia
ü Computação
ü Conservação e Restauro
ü Diversidade e Tolerância
ü Educação
ü Educação Física
ü Engenharia Agrícola
ü Engenharia Hídrica
ü Física
ü Fronteiras
ü GAPE
ü Meteorologia
ü Odontologia.
A pauta teve início com a apresentação de novos petianos e também do novo tutor do PET Arquitetura e Urbanismo. Logo depois, informes gerais e com atualizações de informações pelas Comissões que integram o planejamento/organização do SULPET XXII, que será sediado em Pelotas neste ano de 2019. O momento foi apresentado pela petiana Ane Tchavo, do PET Diversidade e Tolerância.  Como redatores do encontro, os estudantes Eduardo Trota (PET Odonto) e Leonardo Capra (PET Educação).
Dando sequência à manhã de sábado, Leonardo Capra apresentou a todos os presentes os temas dos GDT´s e Pré-GDT´s que foram organizados e planejados pela Comissão Acadêmica, tendo como tutora responsável a professora Cristina Maria Rosa, do PET Educação.
Para findar a manhã as comissões se reuniram separadamente em salas do terceiro andar do Campus II da Universidade Federal de Pelotas e discutiram demandas pontuais de cada comissão.

Leitura na Escola: PET Educação presente!


Literatura na Escola: a escolha do que ler
Cristina Maria Rosa

Deleite é contato prazeroso com o artefato cultural mais importante de nossa cultura escrita: o livro. Deleitar-se é encantar-se, envolver-se abraçar-se com uma obra, advindo dela infindáveis relações de pertença: prazer, mágoa, dor, angústia, solidão, saudade, tristeza, alegria. Deleitar-se não é apenas sentir prazer, alegria. Como salienta Maria Silvia Oberg (2007), "a fruição é um ato abrangente, que articula várias dimensões do sujeito: sensorial, afetiva, intuitiva, lógica, imaginativa, cultural, intelectual, entre outras".
Sobre a qualidade dos textos literários para a infância, autores têm defendido que a qualidade consiste na possibilidade da história produzir um efeito humanizador no pequeno leitor, sem que haja a necessidade de uma mensagem moralizante ou pedagógica explícita e nem o apoio de imagens, sem o qual o texto não se sustentaria (BORBA DE MORAIS, 2018).
Para a escolha de obras infantis, Cristina Rosa (2015) indica critérios literários, entre eles, longevidade, expressão inusitada e/ou linguagem metafórica, inesgotabilidade, valor histórico e documental, magia, vínculo com a ancestralidade e fazer pensar. A pesquisadora preconiza que a humanidade – suas emoções fundantes como o medo do abandono e da morte, por exemplo – é matéria primordial da literatura e a obra literária é o melhor caminho para ensinar a gostar de ler, uma vez que esse atributo não é genético, precisa ser ensinado, antropologicamente, a cada novo humano em sociedade.
Possivelmente muitos adultos – pais e professores, preponderantemente – não consigam articular estes saberes quando da escolha de livros a serem apresentados aos seus. E, na maioria das vezes, indicam ser difícil ou impossível dialogar com as meninas e os meninos, na escola e fora dela, acerca de temas como diversidade, morte e respeito às diferenças, por exemplo.
Ricardo Azevedo (1997) afirma que os livros paradidáticos utilizam-se, em geral, dos textos verbais e visuais e também pretendem trazer e transmitir informações e conceitos concretos e objetivos sobre determinado assunto. Necessariamente, têm motivação pedagógica ou ideológica e pretendem, em última análise, educar, informar e ensinar. Ao contrário dos livros didáticos, podem ou não estar diretamente comprometidos com os programas de ensino oficiais. Em lugar do discurso didático, denotativo, unívoco e, na medida do possível, impessoal, podem utilizar-se, em grau maior ou menor, do recurso da ficcionalidade, do discurso poético e aparentemente subjetivo, como suporte para transmitir conceitos. Os livros paradidáticos pretendem distrair ensinando. Através de uma determinada narrativa de ficção, são transmitidas informações sobre, por exemplo, a natureza, o desequilíbrio ecológico e temas como a defesa e a aceitação das minorias; a luta pela abolição das desigualdades sociais; a emancipação da mulher; o exercício da cidadania, entre outros.
Acerca dos livros voltados ao público infantil que abordam a sexualidade, por exemplo, Jane Felipe (2018) destaca que nem sempre conseguem o fazer de forma objetiva e transparente, pois “muitos deles reiteram um modelo heteronormativo, ignorando assim outras manifestações identitárias e outras possibilidades de configurações familiares”. E sugere que tenhamos um olhar sensível sobre tal realidade, procurando avaliar muito bem a qualidade dos livros: didáticos, paradidáticos e mesmo os de literatura infantil.
A literatura na Escola
Foi esse o tema da conversa com professores ocorrida na manhã de sábado, dia 16 de março, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Luiz Augusto de Assumpção, que se localiza na Praça Aratiba, nº 281, Balneário dos Prazeres, uma das margens da Lagoa dos Patos, em Pelotas, RS. Reunidos para estudar, professores de diversas áreas – Pedagogos, Licenciados em Português, Matemática, História, Geografia, Ciências, Arte, Espanhol, Ensino Religioso e Educação Física – recepcionaram o PET Educação (a Tutora e os estudantes Alisson, Angélica, Estefânia, Ieda e Jéssica) para um diálogo sobre leitura e literatura na escola. Presente, também, a Bibliotecária da SMED Pelotas, Simone Echebeste.
 Após, em avaliação realizada pela Diretora, professora Daniele Dumith e pela Professora Fabiane Rodrigues Viana, alguns comentários dos professores que participaram:
“Melhor reunião, em minha opinião. Ouvi, pude falar e aprendi. Se estou na escola, preciso me sentir parte dela!”
"Perdoem-me se isso é ‘coisa de menina’, mas me valeu muito. Profissional e particularmente. Só faltou o café com coisas boas...”.
“Que a próxima seja em breve!”

Referências
Em sua fala aos professores, a professora Cristina Maria Rosa mencionou a diferença e o impacto na formação do leitor de diferentes gêneros literários e tipos textuais - biografia, autobiografia, paradidáticos, artigo em jornal e literatura para crianças - e leu trechos de livros.
Os títulos e autores lidos ou mencionados pela Tutora do PET Educação na Formação dos Professores foram:
1. A História mais triste do mundo, de Mário Corso;
2. Coisa de Menina, de Pri Ferrari;
3. Coisa de Menino, de Pri Ferrari;
4. Felpo Filva, de Eva Furnari;
5. O Espaço, de Blandina Franco e José Carlos Lollo;
6. Uma rede de casas encantadas, de Ana Maria Machado.



Ata PET Educação 001.2019


II Contadores: organizando


No dia 13/03/2019, a partir das 17 horas e trinta minutos e na Bibliotheca Pública Pelotense ocorreu a primeira reunião do PET Educação com a Coordenação do Espaço Infantil da Bibliotheca, Camila Corrêa Pierzckaski.
Presentes, a Tutora do Grupo, professora Cristiana Maria Rosa e os estudantes Alessandra, Alisson, Angélica, Cinara, Claudia, Estefânia, Ieda, Jéssica, Leonardo, Mariana e Valdoir.
A reunião aconteceu com o intuito de organizar o 2° ECH – Encontro de Contadores de Histórias, que ocorrerá em maio de 2019. A partir de convite recebido, o PET Educação passou a integrar a organização do evento como apoiador e colaborador.
Na reunião, um levantamento do espaço e de possibilidades para realizar o evento foi prioridade.
O PET Educação ficou responsável por:
a) criar um grupo de WhatsApp para a organização;
b) colaborar na arrumação da estrutura física (espaços para realização de leituras de textos, contos, poemas em saraus e/ou oficinas literárias,  teatrais);
c) divulgar o evento na Universidade (através de e-mails aos estudantes dos cursos de graduação);
d) realizar algumas leituras literárias no evento, que serão escolhidas, ensaiadas e propostas em breve.
Outra ideia dialogada foi a identificação visual do evento, a cargo da Coordenadora Camila: uma página no Face book, cartazes, banners, panfletos e uma camiseta foram sugeridos.